terça-feira, 20 de setembro de 2011

Quero uma festa de 20 de setembro



Nesse 20 de setembro, quero uma festa punk! Quero uma festa que não tenha Fagundes. Que não toque o "Da Fronteira", nem os Teixeira. Quero uma festa punk! Se for pra ter música gaúcha, com direito a cacofonia e tudo, prefiro Replicantez.
Se for pra dançar num salão, prefiro Rock'a'Ula! Aposentei minha bombacha e vesti o velho jeans.
Se é pra manter as tradições, quero as tradições da verdadeira rebeldia. A rebeldia que realmente transforma algo. A rebeldia dum rife de guitarra distorcida. Eis os precursores da liberdade: Hendrix, John, Paul, Ringo, Jorge, Ian Anderson, James Jean, Elves Presley (copiador dos negros do Mississipi), todos os negros blueseiros do Mississipi, Zappa e toda ordem de desbravadores do progressivo, metaleiros e os anjos beiçudos do Jazz. Eis a verdadeira tradição da luta pela liberdade! Da liberdade de se poder fazer, pensar, querer e dizer, mas também a liberdade de poder não pensar, não querer, não dizer. A liberdade de se dizer "não quero", ao invés de dizer "aceito".
Mas não basta pra ser livre, escutar Jethro Tull, Tom Zé e Graforreia Xilarmônica. Quem não tem capacidade de entender que liberdade é saber incorporar o diferente e poder questionar o passado, acaba por ser ignorante.
Mostremos constantemente nosso valor: um valor que não significa nada sem o outro. Não há rock sem samba. Não há sul sem norte. Não há revolução sem mudança.
Quero uma festa punk!
Quero uma festa punk!

** há exatos dois anos, publiquei aqui um poema. Quem quiser, pode acessar clicando aqui, ou navegue no blog e descubra outras postagens que possam interessar ao leitor.

2 comentários:

Profano disse...

Estava escrevendo um comentário, mas achei que tinha ficado longo demais. Vou postar o comentário no meu blog porque achei que o assunto renderia uma bostagem.

otário disse...

Aguardemos, então!