domingo, 11 de setembro de 2011

Um 11 de setembro pra esquecer

Final de domingo, este blogueiro está sem assunto. Penso em falar dos jogos do final de semana ou da polêmica da vez. Mas não é bem isso que quero. Na verdade, quero mesmo é manter contato vivo com meus leitores. Todos os meus leitores são inteligentíssimos. Todos os dois. Não se engane com os "seguidores" da lateral da página. Tenho 16 pessoas cadastradas como acompanhantes do blog, mas tenho minhas dúvidas se realmente leem. E acredito que esses 16 sejam pessoas bem educadas e que ficam com dó deste blog, por isso não o deletam da lista. São pessoas honradas e amigas o suficiente pra dar uma forcinha, já que sou leitor do blog deles. Sou fã de quase todos. Só não sou dos que abandonaram seus blogs. Quer dizer, sou fã destes também, mas já não os leio mais. Até porque se fosse ler, seria um ato de repetição, porque já não postam há muito tempo.
O leitor já deve ter percebido que estou meio sem assunto. É que realmente não quero ver quem venceu ou quem perdeu na rodada do campeonato nacional, não quero ver qual o astro da bola que está envolvido em negociações absurdas, nem qual bandido foi preso. Não quero discutir a economia global decadente. Muito menos ficar repetindo que a crise não é crise, mas parte do processo de centralização de renda. Hoje não estou afim de me posicionar. Só quero um papo agradável com meus leitores.
Mas como nem tudo são flores, ainda há um assunto que me incomoda neste domingo. O pneu da minha bicicleta furou. Isso me deixou com muita raiva. Estava voltando do mercado, com o bagageiro cheio de compras e o pneu simplesmente começou a bater aro. Isso me revoltou! Por isso resolvi fazer terapia, igual às tias que escrevem poemas de amor ou saudade, pintam quadros de paisagens ou natureza morta, essas coisas, e postei aqui a experiência dolorosa.
Tá certo que a data é significativa pra humanidade, afinal, aquela atrocidade não pode ser esquecida. O que os EUA tentaram fazer com o Chile naquele 11 de setembro jamais deve cair no esquecimento. Mas não quero falar disso. A data marcou muito pra mim pelo fato do pneu da minha bicicleta ter furado. Quero esquecer o dia de hoje.

2 comentários:

Leonardo Alves disse...

Caro Otário:
Gostaria de dizer que sou leitor assíduo deste blog mas, infelizmente, nem sempre acabo postando comentário. Fico desencorajado, temendo escrever uma tolice.

Como já disse, os teus textos me cativam bastante. São inteligentes, com escrita inventiva e agradáveis de ler.

Fico feliz que consigas encontrar tempo entre aulas, planos de aula, correção de provas e redações para escrever teus textos bloguísticos, que presenteias a nós, leitores.

Abraço

otário disse...

Caríssimo Leonardo,
Fico feliz em ter um leitor como usted. Na verdade, nem sei até que ponto meus textos têm relevância, mas se alguém como usted declara tudó isso, só tenho a achar que tá valendo a pena.
De mais a mais, também sou admirador dos teus textos.
E pode ficar a vontade em comentar, mesmo que julgue tolice ou que julgue que está a arriscar escrever tolices. Meus posts estão cheios delas.

Abraço