quinta-feira, 7 de julho de 2011

Mais chatice

Minha patética poética-tica

Folha não farfalha: gargalha com o galho
engana-se quem pensa que poesia é só bijouteria
é loteria, prego e maca
e a má cacofonia "heróico brado"
a qual refere o cego e nosso híno
cambalha na galhofa e escangalha
tanto eu como você

E para lamentar, um parlamentar recorre ao bardo
cobrado por razões escancaradas
corado segue o coro dos contentes
descontentes seguem todos os demais

Discuto, logo, existo
desisto e parto ao parto
afino o instrume do momento
e o ventilador se encarrega do restante.

3 comentários:

Leonardo Alves disse...

Eu observo a metapoesia como uma forma do poeta justificar sua poética. Mais do que expressar como deve ser a poesia, um manifesto pessoal.
Gosto muito da tua poética.

Mulher Indigesta disse...

Muito bom. Amei as cacofonias. E, já sabe: gostei, vira plano de aula. Parabéns!

otário disse...

Curiosidade: escrevi isso enquanto lavava uma roupa. Me baixou o Ednardo e eu fui escrevedo mentalmente:
"arrepare não, mas enquanto eu lavo a roupa..."