domingo, 6 de junho de 2010

Teste sua pegada!

Muito tenho batido aqui na necessidade de rever toda uma cultura agressiva ao planeta. Aliás, há algum tempo que não falo no tema, mas já falei muito quando iniciei na difícil arte de escrever um blogue. Pois bem. Quem acompanha este espaço, sabe o quanto procuro me comprometer com as questões socioambientais. Como hoje me bateu um saudosismo, resolvi retomar, mais uma vez, esse assunto.
Dessa vez, o que me veio à reflexão foi a ideia de quanto estou, particularmente, comprometendo o ambiente no qual vivo. Qual seria a minha "pegada ecológica"? Antes de responder a isso, preciso deixar claro ao leitor mais desavisado o que exatamente é essa tal pegada.
Não. Não trato aqui daquela pegada que enlouquece as mulheres, quando a gente (os homens, principalmente) chega com firmeza, calor e ousadia, endurecendo sem perder a ternura, toma a parceira (no meu caso, mulheres) de maneira a não deixar fôlego, arrebatando com volúpia e uma pitada de rudez carinhosa, fazendo com que elas se entreguem totalmente ao prazer. Não é desta pegada que falo. A pegada a qual falo, é comparável àquela que deixamos na praia, quando pisamos na areia molhada, ou num terreno lodoso. Falo da pegada no sentido de deixar marcada a nossa passagem. Não que a primeira forma de pegada não deixe marcas da passagem do homem na vida da mulher, mas na segunda é a marca que vem melhor ao caso.
Sendo assim, a pegada ecológica (note o leitor que já não aguenta mais ler essa palavra nesse texto, logo direi o motivo de tanta repetição) nada mais é do que a marca que deixamos na nossa existência. A marca deixada pelo nosso ato de pisar em algo. Pisar na Terra. Por consequência, é o efeito de toda a nossa existência: o que consumimos, o que dejetamos, o que destruímos pra benefício (sic) próprio.
Voltando à questão da minha pegada (lembrando que não falarei da minha vida sexual, embora esteja atentado, pois daria um miniconto interessante), descobri, um site onde calculo o quanto estou prejudicando o planeta. Basta entrar no site www.pegadaecologica.org.br ou em www.oeco.com.br/calculadora (sendo este o mais interessante) e responder às perguntas. No final, após a 15ª questão, ele indica a quantidade de planetas iguais à Terra seriam necessários pra sustentar a vida caso todos tivessem o mesmo rítmo de consumo. Vale lembrar que é apenas uma ideia e que as questões são genéricas, sem considerar pormenores, mas dá pra tirar algumas conclusões. No meu caso, um sujeito que tem preocupações socioambientais e vive tagarelando isso, precisaríamos de dois exemplares do nosso planeta. O leitor poderá clicar no link de um dos sites e verificar a sua própria pegada. Se quiser verificar a outra pegada, deverá fazer outro tipo de teste.

4 comentários:

Mulher na Polícia disse...

"Não. Não trato aqui daquela pegada que enlouquece as mulheres, quando a gente (os homens, principalmente) chega com firmeza, calor e ousadia, endurecendo sem perder a ternura, toma a parceira (no meu caso, mulheres) de maneira a não deixar fôlego, arrebatando com volúpia e uma pitada de rudez carinhosa, fazendo com que elas se entreguem totalmente ao prazer. Não é desta pegada que falo".

Rosários bentos!!!
rs rs rs rs!

otário disse...

Obrigado pela visitinha, amiga policial. Fico feliz em tê-la comentando as postagens. Aliás, comentários valiosos!

Anônimo disse...

Eu gasto menos que tu rsrs 1,4 planetas rsrs

otário disse...

Como sei quem foi que postou anonimamente (na verdade, foi um comentário que recebi por e-mail, de alguém que recebe automaticamente minhas postagens e transferi), tomo a liberdade de comentar:

Pois é, querida "anônima" (além de tudo, o leitor já percebeu que tenho muitas amigas, o que me faz um blogueiro feliz!), o segundo link traz uma opção de a gente verificar as maneiras de reduzir esse impacto. O que me surpreendeu foi que apenas um gesto meu pode reduzir meu consumo a 0,7 planetas. Só é preciso que eu deixe de comer carne. Não cita exatamente deixar de consumir alimentos de origem animal, como laticínios ou ovos, mas apenas carne. É incrível o quanto a produção de animais pra corte é impactante! Estou me programando pra aderir à "segunda sem carne".